COMO VOCÊ INTERFERE INCONSCIENTEMENTE NO COMPORTAMENTO DO SEU GATO

Há tempos estou para escrever esse post até pelo momento em que estamos vivendo e sempre penso: escrevo, não escrevo... Então resolvi escrever na tentativa de te reconfortar com estas breves palavras. Vamos lá!


Independente dos tempos de pandemia, há algo super importante que eu venho notando: a forma (inconsciente) de como você, tutor, pode interferir positiva ou negativamente no comportamento geral do seu gato.




É claro que o comportamento de um mamífero tem uma composição complexa:

  • a genética comportamental do pai (no caso do gato);

  • a interação com o meio;

  • idade do gato;

  • qualidade de vida do gato;

  • o nível de socialização do indivíduo;

  • sob qual condição ele nasceu (acolhimento ou stress materno?);

  • o tempo que ele passou com a mãe e com os irmãos;

  • condição de saúde.


Não estou dizendo para esquecermos todos os nossos problemas e vivermos em um mundo cor-de-rosa 24 horas por dia. Longe disso! Mas gostaria que a partir de hoje, você apenas prestasse atenção no seu dia a dia, na fase em que você está vivendo, nas suas atitudes de forma geral. Acredite: tudo isso também interfere no comportamento do seu(s) gato(s) e de todos os animais da sua casa.


Instabilidade no trabalho, divórcio, dificuldades financeiras, menopausa, filhos pequenos, questões familiares de ordens diversas, luto, incertezas... você não disse nada para o seu gato, mas ele sabe. Sabe que você está diferente, está respirando diferente, seu odor está diferente, sua inquietude no dia a dia (ou sua melancolia). E tudo isso é natural e faz parte da vida de qualquer ser humano.


ENTÃO, O QUE VOCÊ PODE FAZER?


Em primeiro lugar, SE RESPEITAR! Essa é a primeira coisa que eu faço nas minhas consultorias: procurar acolher o tutor. É humanamente impossível fazer com que o gato não sinta ou perceba o que está acontecendo! Tome plena consciência de que é uma fase delicada (ou mesmo difícil) e dê tempo ao tempo! Apenas observe o comportamento do seu gato e reflita se ele tem mudado nos últimos tempos. A observação constante da rotina fisiológica dele é muito importante:

  • mudança no padrão de descanso;

  • mudança do local de descanso (quando o gato não descansa mais no local preferido dele);

  • mudança no nível de atividade (independente da idade!);

  • falta de interesse por algo que ele gostava muito;

  • alteração na rotina alimentar;

  • alteração na rotina de ingestão hídrica;

  • falta de interesse nas brincadeiras;

  • gato mais reservado que o normal;

  • gato ansioso;

  • gato inquieto (não confunda com gato ocioso e que tem muita energia para gastar!);

  • alteração no uso da caixa sanitária (VETERINÁRIO URGENTE!).


Procure manter o mesmo padrão de tudo: de interações, de atenção, de brincadeiras... Sei que é difícil, mas... vamos tentar? Vamos tentar passar essa fase delicada juntos? Posso não estar aí com você pessoalmente, mas... eu te ajudo!


Um grande beijo e... JÁ DEU TUDO CERTO!!!









37 visualizações0 comentário